Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

18
Mar24

Em serões que nunca acabam...

À meia-luz da noite… ouvindo Yanni


Yiannidisco.jpg

Há décadas que sigo a carreira de Yanni, o músico e compositor grego, atualmente com 69 anos, que encanta milhões à volta do mundo, com as suas melodias "New Age", ao piano, que nos enchem o coração, que adoro há tanto tempo… em serões que nunca acabam, à meia-luz da noite… quase sempre… enrodilhado nos CD`s e DVD´s da minha coleção… Ouvir as suas composições e orquestrações é um prazer renovado, a cada regresso àquele disco (também tenho em DVD) especialíssimo, de 1993, “Live at the Acropolis”, com o qual, ainda na minha juventude, descobri verdadeiramente a maestria de Yanni… num concerto num sítio incrível...

Ali, este tema maravilhoso, “One Man's Dream", conquistou-me!!! Ainda hoje é um dos instrumentais mais belos que alguma vez ouvi, que ouço vezes seguidas, sem me cansar, pela sua simplicidade e beleza, contando uma história, aquela que nós quisermos… na nossa memória, na nossa saudade!

No meu caso, é uma música que cheira a rosas, reluz como o sorriso da minha mãe, que eu trago dentro de mim, ou com aquele olhar tom de mel, materno, de amor infinito, que me abraçava!!!

Sim, eu sei, é uma música que me faz sofrer, às vezes, chorar, quase sempre!!! Por ser tão bela!!!

 

 

Mas, “Live at the Acropolis” é apenas um notável exemplo dos muitos trabalhos em estúdio ou ao vivo que o músico tem proporcionado aos seus seguidores.

Outro concerto maravilhoso foi o que o músico grego deu, mais recentemente, em AlUla, na Arábia Saudita, intitulado “Until The Last Moment", justamente o nome desta composição que partilho aqui, por ser um dos que melhor traduz a obra de Yanni, que adoro até ao último bocadinho!

Boa noite!

 

26
Ago22

Vinil sussurra fragmentos

Um 33 senil, sábio amigo!


Paisagem urbana Alentejo nortuna copia02r.jpg

Ligar o som, prazer maior, a meio volume…

Escolho vinil, um 33 senil, sábio amigo!

À meia-luz, Monitor Audio soa a perfume…

Na posição fetal, na carpete, falo comigo!

 

O saxofone soa metais, o baixo murmura…

Sinto o seu bafo estremecendo entranhas!

Que interpelam o vácuo que perdura…

E aguilhoa ganas de ousar façanhas!

 

Lengalengas lamechas pontuam pensamentos…

Ora melancolias, ora memórias, até fantasias!

O vinil é assim, um velho que sussurra fragmentos…

É quente o acento, tanto que adocica profecias!

 

E aquela trova com sotaque do Norte quer dormir…

É fim de dia, de fadigas imensas, que nos vencem!

Já sonho ser feliz, que o vácuo se foi, vou sorrir…

O vinil acabou… O sonho acordou… As ganas se esvaem!

 

agosto de 2022

 

 

10
Mai22

Que sonho aquele!

Fui voando, vendo tudo lá de cima


Naquela jornada ousei, levantei do ninho, batendo certas asas que não sabia possuir.

Que voo aquele, fingindo de albatroz, a partir da Princesa do Tâmega, num dia quente de maio, mas temperado por aguaceiros! E lá fui guinando a estibordo e a bombordo, consoante os caprichos da rosa dos ventos, como ventura de estar vivo.

Subi alto e vi nuvens, serras e mares, com formas de água, em jeito de devaneios, utopias, quimeras.

E, tímido, fui voando, vendo tudo lá de cima.

Apendera a esvoaçar!

Que sonho aquele!

10
Dez21

Ecos e sombras


Às vezes gosto de escrever sobre ecos e sombras!

Coisas estranhas neste tempo que sou!

Numa torre altaneira imagino a olhar-me nos olhos turvados e a navegar entre brados

Na insónia sonho o que sonhei ontem para os amanhãs, hoje pretéritos

E crer no retorno das ondas salgadas ao areal, de cabelos grisalhos à nortada

Abraço-me, tremo, vagueio à bolina da madrugada, ao virar da página.

 

 

Atalho quieto, sozinho como gosto, ouço a "ronca" da Póvoa na neblina

E a traineira no fim do mar, em silhueta, é ponto de luz que me amansa

Gosto da maresia de setembro. Sento-me na areia, saltito descalço entre algas e mexilhões

Que bom rever rochedos onde brinquei em menino com um baldinho

E imaginar os castelos na areia com sonhos à janela e pontes que fiz

Mas que a água levou, curioso prenúncio de destino. Adormeço!

 

Armindo Mendes

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D