Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

21
Jan13

É um privilégio sermos contemporâneos deste mito vivo: Sebastien Loeb!


 

 

 

O que dizer da prestação de Sebastien Loeb no último rali de Monte Carlo, uma prova que ganhou pela sétima vez? Faltam palavras para descrever a mestria deste predestinado, deste autêntico mito vivo dos ralis, que ostenta o título de campeão há nove anos consecutivos! Monte Carlo é, seguramente, o melhor e o mais prestigiado do mundo.

A edição de 2013 foi disputada em condições particularmente adversas, com neve, frio e gelo, complicando a tarefa de pilotos e máquinas. É quando o grau de dificuldade se torna extremo, com variações constantes na meteorologia, que a classe se destaca mais, como provou, uma vez mais Loeb, no seu também espetacular Citroën DS3 WRC.

 

 

Logo na primeira etapa, o campeão deixou a concorrência a milhas, demonstrando que é um sobredotado. No resto das etapas, mesmo “levantando o pé”, continuou a ganhar segundo a uma concorrência incapaz de se adaptar as surpresas deste “traiçoeiro” Monte Carlo. Loeb é rápido, muito rápido e raramente comete erros, como têm reconhecido todos os adversários. Com uma condução concentrada, precisa e eficaz em todos os pisos, o piloto da Citroën vai batendo todos os recordes, a cada ano que passa, guindando-se para um estatuto de lenda, que já patenteia, mas que insiste em tornar ainda mais inalcançável para os comuns dos mortais.

 

 

É um privilégio sermos contemporâneos deste mito vivo. Para esta época de 2013, Loeb tem prevista a participação em apenas quatro provas do mundial de ralis. Mas depois desta prestação no Monte Carlo, prova de abertura, já há muitos adeptos da modalidade a pedir que o campeão reconsidere e faça todo o campeonato.

25
Mar12

A paixão dos ralis regressou a Fafe, "catedral" dos ralis


O dia 24 de março constituiu uma espécie de regresso às origens. O mote foi dado pelas emoções fortes dos ralis, uma paixão antiga que remonta aos verdes anos da minha infância.

 

Depois de muitos anos de ausência do Norte do país, os melhores carros e pilotos da atualidade regressaram às estradas de Fafe, localidade que desde os idos 70`s é conhecida, com justiça, como a catedral dos ralis em Portugal.

 

De novo, milhares acorreram à serrania local para desfrutar de uma “amostra” do que é hoje o mundial de ralis dominado pelos impressionantes WRC.

 

Naquele dia, neste “sprint rali”, foi reconstituída parte do antigo troço da Lameirinha, com os seus “místicos” saltos, com o Confurco pelo meio.

 

Como no passado, a multidão de adeptos dos ralis lembrou as emoções de tempos idos, que os interesses económicos empurraram para o frio Algarve, automobilisticamente falando.

 

Apesar disso, valeu a pena voltar à Lameirinha, apesar de o  petisco ter sabido a pouco.

 

As gentes do Norte, pela paixão que nutrem, pelo desporto automóvel, mereciam que o Rali de Portugal regressasse a estas paragens.

 

Eis algumas fotografias que registei, no sábado, no troço da Lameirinha e no Parque de Assistência, em Fafe:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D