Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

10
Mai22

Voltou logo o rosto com aquele olhar vazio

Debatia-se, com os mil obstáculos urbanos


Armindo Mendes

flor vermelha.jpg

Acabara de tomar café numa confeitaria do Porto, igual a tantas outras, apinhada de gente desconhecida para mim!

Era ao lado da clínica. Eu saíra, há instantes, de uma consulta médica e pensava nos altos e baixos da vida… olhando a rua, por trás do vidro, e o rebuliço matinal na invicta, numa segunda-feira, algures na Boavista, com sol em todo o lado.

Passara, sem afico, os olhos no ecrã do tablet, agastado com as notícias da guerra, de um certo jornalismo que faz “escola” por estes dias… em que só o superficial importa ao rebanho, quase sem direito à diferença.

Respondera a umas quantas mensagens de trabalho, despachando assuntos e passando os olhos pelas páginas pintadas de azul do JN, em rescaldo ao FC Porto campeão, para meu contentamento.

Olhava para as pessoas que iam conversando nas mesas vizinhas, a maioria idosos, e o ar atarefado de quem servia aos clientes torradas pejadas de margarina derretendo… e galões transbordando.

Meio agoniado pelo ambiente, acabei saindo, após pagar a conta ao sisudo empregado que atendia tudo e todos ao mesmo tempo! Deu-me o troco, esticando a mão, enquanto já olhava para outro cliente!

Do lado de fora do estabelecimento, dei comigo a olhar para uma senhora de meia-idade, ao fundo da rua, impecavelmente vestida, com uma mochila amarela às costas, que andava muito devagar na rua. Percebi que era cega.

Debatia-se, com paciência, com os mil obstáculos urbanos e aproximava-se de uma passadeira para peões, em plena selva urbana.

Fique ali parado a observá-la. Quedou-se, finalmente, junto à passadeira. Parecia insegura, nervosa, até!

Quase por instinto, dirigi-me à senhora, perguntando-lhe se precisava de ajuda.

Voltou logo o rosto para mim, com aquele olhar vazio, que me tocou, e disse que apenas queria atravessar a rua.

Perguntou-me se estava vermelho para os peões. Respondi-lhe que sim!

- Não se preocupe, eu ajudo-a a atravessar, disse-lhe.

Aguardei uns instantes ao lado dela que o sinal verde para os peões acendesse, enquanto os carros iam passando, apressados e estremecendo o chão. A motas frenéticas das pizas e um carro do INEM a toda a velocidade pareceram assustá-la.

Acabei, depois, por ajudá-a a atravessar a rua, avisando-a, também, para o degrau traiçoeiro do passeio.

Do lado de lá da rua, a senhora agradeceu e seguiu o seu caminho, devagarinho, rua abaixo, ziguezagueando, ao desviar-se de um poste de iluminação e de um quiosque de raspadinhas, perante as demais pessoas que por ela passavam, indiferentes. Olhavam, mas não a viam, estavam cegas pelas sofreguidão de raspar à procura da sorte!

Eu não! Ave rara, sei lá porquê!

Fiquei mais uns instantes, parado, a olhá-la, de coração apertado, cabisbaixo, um pouco!

Será que a devia ter acompanhado para a continuar a ajudar, sabe-se lá até onde, com os meus olhos, questionei-me quando me dirigia para o meu carro estacionado nas proximidades austeras.

E lá subi a rua, devagar, olhando em volta e a pensar no que acabara de sentir.

Para os meus botões dizia ser um sortudo por poder ver! E como será o mundo dela e dos outros que não conseguem ver.

Escuro, o mundo, talvez, pensei!

Que a luz da sua alma ilumine o seu destino, ao cheirar, quiçá, uma rosa no Palácio de Cristal, ao ouvir um sussurro ao ouvido de alguém que ame e ao saborear uma cereja.

Ou, no rosto, sentir a brisa marítima, na barra do Douro, abrigada pelo nevoeiro e protegida pelo foco do farolim!

 

Armindo Mendes, 10 de maio de 2022

15
Mar22

PORTO: Estátua de Vimara Peres, o primeiro conde de Portucale, a partir de 868

Junto à Sé Catedral, do Século XII


Armindo Mendes

Foi também o fundador de um pequeno burgo fortificado, designado ‘Vimaranis’, derivado do seu nome, atualmente a cidade de Guimãrães, que foi o principal centro governativo do Condado Portucalense. Foi em Guimarães que faleceu, em 873.Sé do Porto 3 copiar.jpgFOTO: Armindo Mendes (Direitos Reservados)

04
Nov21

Sermos na alma, os primeiros


Armindo Mendes

folhas de outono blogue.jpg

 

Dias curtos chegaram, opereta de tons marrom, nas folhas caídas, ao vento levadas, nas escarpas onde se erguem fernandinas muralhas...

 

As folhas são carpetes de pontos de bronze, como a ponte dos comboios a vapor ou paço de glórias idas, estendidas, escadas abaixo.

 

Ali, o sol apressado nos telhados toscos, casario das ruas de granitos do tempo, paredes cobertas por mil falhas...

 

Com artes dos pretéritos, os das mil e uma culturas, para – invictas e juntinhas - se espraiarem no colo do Douro, como uvas em cacho.

 

 

 

E as folhas outono, com timidez de cobre e toque estaladiço, flutuam, em cardume, olhando as pontes, os rabelos barcos...

 

Mirando a românica sé, altaneira, na colina, até provarem o sal, no Castelo do Queijo de marinheiros.

 

As folhas hão-de voltar viçosas, quando a primavera acordar, em gesto de esperança para júbilo de fortes e fracos

 

E nos palácios de cristal de nós todos proporcionarem fresco ar, na sombra em piqueniques sermos na alma, os primeiros.

 

Armindo Mendes

 

06
Set21

É domingo à tarde!


Armindo Mendes

Ali, por debaixo das luzes de Led que atraem as barrigas vazias para suculentas imagens de hambúrguer com metro e meio de altura, com nomes muito “à frente” tipo Mac… qualquer coisa, dependendo a “qualquer coisa” da quantidade da carne picada e das batatas fritas ‘gold’.

A azáfama é grande, o rebuliço é fervilhante das gentes, anónimas, à espera, de olhos nos telemóveis, em caracóis de filas, todos inebriados pelos odores e sabores intensos dos molhos de cores garridas que encimam a ‘fast food’ da cadeia norte-americana servida por jovens doutores remediados. São hambúrgueres, mas podiam ser asas de galinha frita, como além.

Ao ritmo dos apetites vorazes, os tabuleiros saem do balcão carregados pelos clientes que se esbarram entre si, tal a trapalhada, com copos de refrigerantes e tantas coisas, numa parafernália de cheiros, pacotes, cores e, claro, brinquedos giríssimos para os meninos e para as meninas, qual engodo no futuro presente.

 

"...Quando se apreciou ao espelho, olhando o seu rabo, orgulhosa do milagre adelgaçante..."

A senhora loura, abundantemente maquilhada, ali na fila passara há pouco pelas lojas do centro comercial… os passos ruidosos dos saltos altos tinham despertado a minha atenção!

… Ajeitando o cabelo, carrega ainda, orgulhosa, nos sacos de compras, tantas coisas, como aquelas calças de marca a que não resistiu, quando se apreciou ao espelho, olhando o seu rabo, orgulhosa do milagre adelgaçante que o corte da roupa proporcionou às suas partes traseiras que a idade quis agora de linhas abastadas. Uau!!! Vou levar, comentou para o companheiro, puxando pelo cartão de crédito, com um sorriso de orelha a orelha, imaginando o furor que fará quando as amigas (e amigos) do escritório elogiarem… a peça de roupa.

Na fila para a fast food, o companheiro, ao lado da dita, com a barba da moda, calças justas e curtas, de pernas depiladas e com um sapato requintado que deixa ver os pés. Vociferando certas palavras num português pobre, não larga o telemóvel, fazendo as últimas apostas no Placard ou no Betclic, não importa! A expressão dele é de quem procura na fortuna e azar adivinhar o resultado de um qualquer Sporting-Porto desse domingo à tarde, enquanto sonhava com o prémio dos excêntricos, aquele carrão e aquelas boazonas todas só para ele!!!

Já na mesa, na grande sala do shopping, à hora do jantar, a família está em deleite perante os ‘Big Mac’ que fazem as delícias dos tabuleiros com milhões de molhos, mil sabores, amarelos e vermelhos e outras quadricromias, e centenas de guardanapos de pepel que aldrabam as bocas lambuzadas e se deixam cair na confusão, por entre as batatas fritas XL que saltam dos copos de plástico para as bocas, impelidas por mãos a um ritmo desafiante, para gaudio dos comensais, de olhar vazio, mas felizes!

Um pouco por toda a sala, pobres e ricos, letrados ou nem por isso, do avô ao pai, do filho ao neto, todos se saciam até não caber mais, para, de seguida, se levantarem rumo a mais um devaneio, sem destino certo, pelo antro do consumismo, só porque sim, com a loira de olhos postos nas montras de decoração chamativa das lojas e o companheiro, de sapatos finos, de novo perdido nas apostas.

E caminham aos magotes, quase todos impecavelmente vestidos com os trajes de moda.

Elas de barrigas à mostra e calção justo, eles de calças e camisas justas. Tudo pronto para as ‘selfies’ do momento.

Estão contentes, num momento fugaz, ou escondem-se atrás uns dos outros. E cruzam-se indiferentes, quase se tocando nos ombros, nos corredores do shopping dos sonhos, num ritual que manda o status quo, que observo, da minha mesa, onde trabalho, indiferente, talvez!

É domingo à tarde, no Porto!

03
Jan15

Feliz Natal, atrasado, mas justificado pela evidência...


Armindo Mendes

Por estes dias fomos bombardeados com imagens alusivas ao Natal, umas mais interessantes dos que outras, mas a maioria baseadas em criações com recursos digitais. São cada vez em menor número as ilustrações feitas pelas mãos humanas, traduzindo a frieza, mercantilização e formatação que vai tomando conta dos nossos dias.

Vem isto a propósito de um conjunto de ilustrações que observei recentemente no Arquivo da Cidade de Porto, alusivas à quadra natalícia, muitas estrangeiras e com mais de cem anos.

Uma delícia para os sentidos, como esta que partilho:

WP_20141227_16_26_17_Pro.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2006
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D