Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

28
Mar23

Tocá-las, as papoilas, com vénia, para não ofender…

Corações ao peito, com delongas, admirar


violetas Viana.jpg

No Minho, olhar uma flor é tão saboroso…

Apreciar muitas papoilas é na utopia acreditar.

Suas pigmentações coradas dão supremo gozo…

Em Viana, ao colo do Lima, pétalas parecem flutuar!

 

Tocá-las com vénia, para não ofender…

Abrigadas pela ponte Eiffel, para tantos encantar.

Ao sol de março, tomá-las e quiçá oferecer…

Gesto para "à lá minuta", em Santa Luzia, retratar!

Papoilas de Viana do Castelo.jpg

Cheirá-las é adorá-las, na alameda, a dobrar…

Como lenços de namorados, em lindo jardim.

Corações ao peito, os de Viana, com delongas admirar…

À Nossa senhora da Agonia chegámos, por fim!

 

Armindo Mendes, 27 mar 2023

 

27
Mar22

Prados acordados, por magia, de novo!

Vestes de pétalas à brisa saltitando da alcofa


Hoje dei uns passos na aldeia, reencontrei velha amiga, a Primavera

Bela deusa com flores me presenteia

Amarelos viçosos e brancos mármore à espera

Prados acordados, por magia, de novo!

 

Esquilos ensonados espreitam para ver se a diva chegou…

Sim, ela, com cara de Vénus, ali levando cesto de calor e bonança para o povo

Cuco avisa a vizinhança que o Inverno já passou

Primeiro dia crescido do ano, que bom…

Mais horas para temperar o entardecer, com folha de louro

O sol deitou-se tarde, prometeu amanhās de bom tom…

Mas a levada vai quase vazia, o moinho teme pelo seu tesouro

A chuva de abril há-de cair

Gotículas mil para saciar a sede do regato

Porque a Primavera é fértil para os celeiros provir

O povo vai celebrar, com malhões na eira e presunto no prato

Nos atalhos do bosque, a terra já é fofa

Muros trajam musgos e hera

E há vestes de pétalas à brisa saltitando da alcofa

E o cheiro a mel ao vento, humm… valeu a espera!

Promaver na aldeia.jpg

Os dias longos vão aquecer

Os frutos vermelhos vão adoçar

Os ninhos com crias a crescer

E Cupido nos corações dos amantes vai tocar

 

Armindo Mendes, 27 de março de 2022

01
Abr12

Jardins de Camélias de Celorico de Basto


 

 

Os jardins de camélias de Celorico de Basto são lindos. Na maioria deles, encontramos recantos românticos, de mil cores, aromas e formas, que remetem os nossos sentidos, assoberbados pela beleza, para o período em que foram concebidos, nos séculos XVIII e XIX, emoldurando antigas casas apalaçadas e brasonadas.

 

Alguns desses jardins, espalhados pelo concelho, estão magnificamente preservados, neles reinando as cameleiras, algumas com mais de um século de existência e esculturadas, com formas avulsas, por mãos sábias de jardineiros.

 

A viagem a estes jardins é assim um passeio pelo passado não muito remoto, de uma ruralidade bucólica. As fragrâncias das flores, dispostas ora em alamedas, ora numa espécie de labirintos, encimados por pequenos lagos, são quase tão profundas quanto as paletas de tons rosas, vermelhos e brancos viçosos.

 

Este vídeo que realizei procura, “sem sucesso”, reproduzir as emoções que trouxe daquele bonito passeio dominical.

 

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D