Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

28
Jan24

O sol vai-se estender, além dos montes do Alvão

Regalo para os sentidos, em clímax!


pôr do sol serra do Açv.jpg

Um domingo de janeiro acabado... 

Grato pelo belo crepúsculo, além dos montes deste Alvão para fotografar!

a01755524c6426087c714f648a7e9445

Aquém, houve subidas e descidas nos trilhos rochosos das serranias com vistas para a Senhora de Graça

Pôr do sol serra do Alvão Fisgas queda de água.

Tanto pinhal para cheirar e o rio Olo, cristalino, fio de água que se precipita nas Fisgas

rio Olo Serra do Alvão.jpg

Espanto renovado sentir esta natureza, regalo para os sentidos todos, juntinhos, em clímax!

Pinhal Serra do Alvão Fisgas.jpg

Foi bom, há que voltar quando a primavera acentuar as cores e as fragâncias deste pedaço de éden!!!

23
Jan24

Pôr-do-sol do alto da serra… imensa

Sabor a água fresca no Bosque dos Avós


Num ápice, momentos assim, mágicos… nas entranhas do Marão…

Ser parte deles é estarmos lá, numa bênção da natureza…

pôr do sol no Marão preto e branco.jpg

Naquele pedaço de mundo, sem pressas, o pôr-do-sol do alto da serra…

Cheiro a pinho, silêncios na nascente, a frescura no Bosque dos Avós…

"Veja aqui o pôr do sol"!

Desfrutando do "calor" de janeiro, foi bom, merecido, este retrato!

 

29
Nov23

Rio assim...

Mãos dadas ao ziguezague do rio, sob pontes…


Caminhar junto ao Douro é mágico, a multiplicar…

Ver-nos, entreabertos, ao espelho de água que corre para o mar…

No outono da vida, irmos atrás rio, levitando, seja só na vontade…

Preencher o peito com a brisa e abrir os braços…

Abraçar, como feitiço, parte igual em quadro de afetos…

Que mudam, cada estação, das camélias às margaridas…

Dos sabores citrinos, da Pala, às compotas de cerejas, de Resende…

Em festival de palatos ou botões de rosa, em canteiros de Midões…

Passadiços do Rio Douro em Castelo de Paiva (12)

Num estágio de vida, da passarada que parte para Sul, epifania sem palavras…

Só emoções, energias percorrem corpos, como marcas que formam rimas

Vemos os barcos de turistas da moda que passam, acenando entre margens…

Sentado ao sol, nesta pedra, para aquecer as mãos, escrever no coração…

Ou seguindo, mãos dadas com o ziguezague do rio, sob pontes…

Vemos casinhas de lousa, caminhos estreitos, chaminés com pedaços de calor…

Onde moram capelas austeras, memórias de reconquistas afonsinas, templárias…

Como outrora, é a busca do raio de sol, nestes passadiços, para amornar dias frios…

Além, atrás, a neblina, porque o Inverno está a chegar!

 

26
Fev22

Muros de dourado xisto!


flor de amendoeira por do sol.jpg

Que delícia, querer muito deter o tempo, profundo…

Aguarela do iluminismo, com cheiro e tudo!

Pintar este cantinho do mundo…

Sei não poder, mas esforço-me, sem dor alguma, contudo!

 

Sôfrego, por agarrá-lo!

Tonto, meto a cabeça entre os ramos…

Para me perder em volúpia de regalos!

Os sentidos, arrepiados, desfrutam, sonhamos…

 

Qual pintor na tela que pincela com fervor!

Na colina à beira da estrada, debaixo da amendoeira…

De joelhos, ergo olhos e alma para céu mágico, em fervor.

Prenúncio, Primavera, azul de firmamento, como na vez primeira.

 

Paleta de cores em aguarela.

Que contraste com a candura das flores brancas, singelas.

Que dançam à brisa, valsa de violinos, como à janela.

Apetece tocar, com delicadeza, na cara rosada delas!

 

Como as cordas do instrumento, afagá-las, com jeitinho…

Para não magoar imensa dádiva da mãe-natureza.

Tê-las na palma das mãos, com tanto carinho!

 

Fazermos parte daquele mundo, em devaneio até ao ocaso,

Sinfonia em murmúrios ressoa no horizonte breve!

Olhar cintila, banqueteia-se, embriaga-se neste compasso!

Como flauta andina em deriva nas florzinhas de pétalas de neve.

 

Açucaradas, elas, pontos de amarelo-torrado, rosa ou tons de mel.

Abrir alas para as obreiras, como liras, com zumbidos atarefados.

Do pólen extraem, acentuam a fragância, perfume floral

Sim, mel de Olimpo, para adocicar os anjos feitos fados.

 

Sobre o vale da Vilariça ou paredes-meias com o Coa das gravuras.

Que olhos pasmam, ao lado do pachorrento do Sabor.

Rios milenares de mineiros, fios de azeite, néctares de Baco, formusuras.

E das castanhas para magustos de outono, tanto calor!

 

É incrivelmente retemperador correr aqui como caracol,

Entre amendoeiras em flor, subir à rocha para a fotografia,

Neste clímax sazonal da natureza humanizada, sob tanto sol.

Calçadas medievais com muros de dourado xisto que havia…

 

Que acentuam bermas pintadas pelas árvores, em alamedas,

Com vestes brancas sem fim, carregadas de frutos secos, cobiçados…

Que saboreamos, às vezes, sem culpa, na Torre do Relógio, em Meda…

Passarada, sem saber, canta para ouvidos deleitados…

 

Rituais de acasalamento, que belo concerto, de tantos sopros…

Com o Douro azul, qual Danúbio, escarpado, ao fundo, no horizonte.

Breve brisa de inverno, às portas de castelos, ruínas de aldeias sem corpos,

Peito aberto, à espera de tudo, mergulhar nos bosques de cada monte.

 

O fim de tarde chegou, com a pressa dos dias petizes.

Segundo movimento da sinfonia: o pôr do sol, cor de citrino…

Atrás das encumeadas, nuvens imitam amendoeiras felizes.

Para ficarem mais sublimes, de tons dourados, um hino.

 

Efémeros é certo, mas belos que as óticas dos homens ousam registar, sem sucesso!

A noite caiu, à espera de nova aurora neste cénico mundo!

Natureza e sabedoria milenar dos Homens bons de Trás-os-Montes que nem conheço!

Forasteiros, perante quadro de belezas, somos gratos, em gesto fundo!

 

Tanto que estas letras parvas não conseguem alcançar.

Só a alma, como o luar de Torre de Moncorvo e os nossos antepassados do Coa…

Souberam sentir e guardar no coração, numa pétala de flor de amendoeira ao ar

Ou num esboço paleolítico, no xisto, traçado, sem voz, ecoa!

 

26 fev 2022

07
Out21

Num mar ao avesso?


mar salgado.jpg

Sentado numa rocha vejo a luz do meu mar

Estou ali, só, e vejo a minha pele descoberta

A água é sal que chega para a dor atiçar

A maresia de Norte com a alga partiu para parte incerta?

 

O Norte, como a estrela, diz-se, é o rumo ao polo certo

Mas como é o polo do Norte ou do Sul num mundo ao avesso?

O sol na linha do horizonte à espreita da Boa Esperança ou do deserto

A tempestade trará a bonança? É como eu, trovador, assim peço.

 

No meu mar vejo marujos e sereias envoltos em papoilas e malmequeres

No meu mar salgado vejo montanhas verdejantes pintadas de cerejeiras

No meu mar vejo rios, vejo os acasos serem fecundos para todos e quaisquer

No meu mar há corações sem sangrar para sorrirem nas floreiras.

 

Armindo Mendes

07
Out21

Fugas (II)


Fugas 2.jpg

Fugas são corações que se deixam para trás para continuar em frente?

Fugas são ir em frente e olhar corações para trás, em sobressalto

Fugas são ir em frente e ficar perdido entre a corrente

Fugas são querer parar, andando em terreno alto.

 

Fugas é abrir o livro das histórias já versadas

Fugas é ouvir as músicas nos vinis do tempo

Fugas é ir ao armário e ver o pretérito em almofadas

Fugas é aguarela em pastel sobre tela em desalento.

 

Fugas a subir as escadas e sentir o coração ficar

Fugas é teclar, teclar e a escrita em pó sangrar

Fugas é olhar a lua e sentir sem respirar

Fugas é olhar o mar de Moisés e ver o milagre fechar.

 

 

Fugas é caminhar no bosque e ouvir o riacho calado

Fugas é cheirar as plantas desprovidas de odor

Fugas é inverno de moinho só, de portas cerradas

Fugas é ousar ser o que se é, um sonhador.

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D