Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

20
Mai24

Sobre pedaços de nuvens e fogachos de céu azul

Pormenores, em Melgaço!


castelo de Melgaço luminária efeito.jpg

Subindo uma calçada de Melgaço, de casario austero, à procura do castelo, percebemos uma luminária de linha contemporânea.

Que contraste com as marcas do passado!

Impressões do tempo plasmadas na muralha e na torre de menagem, com as ameias voltadas ao presente, que domina o enquadramento, sobre pedaços de nuvens e fogachos de céu azul, que completam o cenário.

Numa composição de um momento que o fotógrafo desenhou, que a fotografia eterniza, em pedaços do inverno na primavera, nas “trocas e baldrocas” das estações!

15
Mai24

Joia do românico que surpreende!

Igreja de São Vicente de Sousa numa rota histórica


Esplendor do românico sousa.jpg

Há pequenas igrejas românicas, encantadoras, nas aldeias do Tâmega e Sousa, como esta em São Vicente de Sousa, uma joia no concelho de Felgueiras e uma das mais bem preservadas do seu género neste território.

Esplendor do românico sousa4.jpg

Podemos encontrá-la num vale com bosques, prados e terrenos agrícolas, às portas do rio Sousa, afluente do Douro.

Esplendor do românico sousa8.jpg

Esplendor do românico sousa5.jpg

Esta ermida apresenta traços arquitetónicos bem definidos do românico do norte de Portugal, sobretudo o seu pórtico e paredes laterais.

Esplendor do românico sousa3.jpg

É dos primeiros séculos da nossa nacionalidade e a sua decoração no granito é exuberante, justificando deveras a surpresa e admiração a quem  a visita.

Esplendor do românico sousa2.jpg

Este Monumento Nacional integra a Rota do Românico.

10
Mai24

Castelo templário de Mogadouro

Numa vila quase erodida pelo “progresso”!


MOgadouro castelo4.jpg

Há castelos que nos tocam, como este em Mogadouro, do tempo dos templários, do século XII… uma época de cavaleiros medievais, quando o jovem país ainda se esforçava por se manter independente face às ambições leonesas…

MOgadouro castelo2.jpg

Hoje, o que resta da fortaleza, que é Monumento Nacional, rodeada pela paisagem dourada transmontana, com o burgo aos pés, remete-nos para aquele conturbado período da nossa portugalidade…

MOgadouro castelo5.jpg

Andarmos por lá, sentarmo-nos num muro, num quente fim de tarde, à sombra da árvore, mirando a torre de menagem, é um convite a olharmos o passado que fomos, mas também o presente que somos…

MOgadouro castelo.jpg

Naquele quase silêncio, refletindo sobre uma simpática vila do interior, com as suas gentes, acossada pelo despovoamento, que luta por se manter viva, orgulhosa da sua história, mas quase erodida pelo “progresso”!

MOgadouro castelo3.jpg

29
Abr24

Para onde o ímpeto dos sonhadores nos conduzir!

Determinados na postura, hirtos nas convicções


Castelo de Melgaço Torre de menagem.jpg

Há pedaços de tempo para nos tornarmos firmes como esta torre medieval em Melgaço, tantas as tormentas nas cercanias… algumas camufladas de nuvens imaculadas… angelicais… todavia com penumbras ocultas…

Tocarmos a rebate, cerrarmos os portões, revigorarmos as guardas, para resistirmos, iguais a nós próprios, determinados na postura, hirtos nas convicções, no acreditar no copo meio cheio, para onde o ímpeto dos sonhadores que ousamos ser nos conduzir na caminhada da vida, montanha acima!

09
Abr24

Portugalidade: privilégio de aldeias assim...

Monsanto: regresso a tempos idos, por entre lares encaixados em rochas gigantes.


Aldei de Monsanto_01.jpg

Monsanto, antiga sede de concelho, é uma das mais belas aldeias de Portugal, situada no interior profundo (concelho de Idanha a Nova), não muito longe da fronteira!

Nas últimas décadas, venceu a degradação que o seu casario já acusava e hoje apresenta-se com todo o seu esplendor a quem a visita.

Aldei de Monsanto.jpg

Vale a pena subir a rua principal, sem pressa, e apreciar o seu edificado que diz bem do passado que teve, como sede do concelho, e que honra o país que somos, no presente!

Aldei de Monsanto_02.jpg

Na primavera e no verão, nas ruas estreitas do velho burgo medieval, rumo ao altaneiro castelo, as janelas, escadarias, varandas e pátios das casinhas de pedra exibem vasos floridos e  outros adereços do pretérito rural das suas gentes, como o seu famoso galo no topo da torre da igreja!

Aldei de Monsanto2.jpg

Que exercício, o nosso, de regressarmos a tempos idos, entre lares encaixados em rochas gigantes.

Aldei de Monsanto3.jpg

E podendo até falar, abrigados do sol, com os poucos residentes, a maioria grisalhos, que ainda por lá vivem, saudando os turistas à passagem!

Aldei de Monsanto4.jpg

Que privilégio termos burgos assim, com tão belas luminárias, aconchegadas, como "retalhos" que Fernando Namora descreveu no seu livro!

26
Mar24

Centum Cellas – da surpresa, ao espanto!

Ruínas de torre romana em Belmonte


Centum Cellas Belmonte.jpg

Há monumentos que causam espanto, como este, em Belmonte, as ruínas de uma antiga torre, com cerca de 12 metros de altura e três pisos. No meio do nada, de campos de centeio, não longe da Serra da Estrela, ergue-se aquele edificado que, visto da estrada por quem passa de carro, logo atrai a atenção, obrigando a uma paragem, para perceber do que se trata.Centum Cellas Belmonte3.jpg

Centum Cellas Belmonte2.jpg

A enigmática torre terá sido erguida nos tempos dos romanos na península, como acampamento provavelmente no século I.

Na área circundante como indicam aparentemente as ruínas, terá existido uma vila, naquele período histórico.Centum Cellas Belmonte4.jpg

Centum Cellas, assim se designa este Monumento Nacional desde 1927, terá também sido usado na Idade Média como prisão.

É mais uma marca da nossa história, das nossas raízes, que perdura há muitos séculos!Centum Cellas Belmonte5.jpg

09
Jan24

Riscos que ondulam ao vento, com acentos lusitanos

Além Tejo… em batalhas de credos…


Há recantos assim, de pigmentações mágicas, riscos que ondulam ao vento, com acentos lusitanos, que se deixam notar, com tanta subtileza, com sabores a cereal, que nos fazem, como plumas, elevar aos céus…

campo agrícola castelo de Monsanto.jpg

E planar, vales fora, com vistas para as cordilheiras da raia, rios curvilíneos, lugarejos com sinetas a rebate e muralhas rudes, num exercício de alquimia, como cavaleiros medievais, desfraldando as bandeiras da reconquista afonsina, além Tejo… em batalhas de credos em tempos idos, dos nossos maiores…

campo agrícola serra da estrela.jpg

09
Mai23

Braços abertos para absorvermos o que nos rodeia

Sortelha: num fim de tarde soalheiro, ao som das cigarras


Aldeia de Sortelha 2022.jpg

Adoro visitar as aldeias históricas portuguesas.

Felizmente, nas últimas décadas, muito se tem feito na recuperação e preservação das aldeias.

Ainda há um longo caminho a percorrer, mas os sinais são animadores, com tantas antigas urbes medievais que são um regalo para quem aprecia este tipo de património.

Aldeia de Sortelha 2022 b.jpg

A altaneira aldeia de Sortelha, no concelho de Sabugal, foi uma das primeiras a merecer atenção nesta estratégia de salvaguarda do nosso edificado histórico.

Revisitá-la é sempre um prazer, tão belo e tão bem preservado está o seu casario, o seu castelo medieval, o seu pelourinho e a sua cerca amuralhada.

Aldeia de Sortelha 2022 c.jpg

Calcorrear sem pressas aquelas ruas sinuosas e íngremes, num maciço rochoso, é um prazer, sobretudo num fim de tarde soalheiro, ao som das cigarras.

Observar cada pormenor, cada recanto escondido de cantaria, cada praceta, cada vaso à janela, com o gato que espreita entre as cortinas, é um regalo, no meio de tanta natureza e tantas fragâncias de Primavera que contornam a “velha” vila, hoje quase sem gente, no passado um importante burgo.

Aldeia de Sortelha 2022 d.jpg

Sortelha é, por isso e por muito mais, uma joia do nosso passado como povo, tão intenso que o sentimos quando subimos ao alto de muralha e olhamos o horizonte raiano, inspirando e abrindo os braços para absorvermos tudo o que nos rodeia, num prazer imenso!

 

03
Abr23

Aldeia histórica de Castelo Novo

No “meu” Portugal profundo


Castelo Novo castelo copiar.jpg

Quando percorremos o nosso país, por exemplo na raia beirã, a coberto da Gardunha florida, longe das bolhas da moda, encontramos sítios lindíssimos, com casarios medievais, de forais longínquos no tempo, que apelam às nossas origens.

Castelo Novo castelo copiar02 copiar.jpg

E paisagens, de cortar a respiração, que nos fazem mais felizes, enquanto, privilegiados, contemplamos cada fragmento da nossa portugalidade, de tantas matizes, sem compromissos, porque vale mesmo a pena sermos como somos, assim, pessoas!

castelo Novo Paços do concelho copiar.jpg

 

21
Mar23

Os que ousaram serem maiores do que os outros

Enciclopédia ilustrada, pedra sobre pedra, sob inspiração divina


Évora catedral.jpg

Pormenor da Sé de Évora

 

Num “de repete”, olhar algo, uma paisagem, um monumento, um rosto, um céu e querer cristalizar o momento, o sentimento, numa memória digital ou quiçá no papel fotográfico, para todo o sempre, sem cheiro é certo, mas com a alma que lhe quisermos dar quando, simplesmente, fotografamos a nossa memória.

As igrejas são espaços de introspeção, de oração, de devoção ao divino, de fé no transcendental, que vai para além de nós!

Mas, são muito mais do que isso!

As igrejas e mosteiros, como outros edificados herdados dos nossos maiores, são o repositório de séculos de cultura cristã, numa profusão de estilos arquitetónicos que vão esculpindo, do românico ao barroco, do gótico ao neoclássico, o espírito, as modas e as inovações arquitetónicas de cada época, numa autêntica enciclopédia ilustrada, pedra sobre pedra, sob inspiração divina, para uns… ou, simplesmente, o engenho humano, no seu esplendor, para outros… mas, para quase todos, simplesmente, ARTE, aquela que nos espanta a cada olhar ante a grandiosidade das obras dos que ousaram serem maiores do que os outros para a eternidade!

Hoje, eu e os como eu, seres sem dons tão grandes, exaltamos, deixamos a devida vénia aos humanos imemoriais, sob a forma de fotografias que queremos guardar, do que vimos, por onde passamos, quase telas do que ali sentimos de espanto, olhando, simplesmente cada pedaço de arte…

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D