Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Não são poemas, porque o sol mal espreita

Gotas de chuva, como diamantes desfocados

23.04.22 | Armindo Mendes | comentar
Dedos começaram, trémulos, a rabiscar rascunho de palavras que se vão acomodando para formarem estrofes de sentimentos e devaneios cruzados, como bafejo de primavera, ora sol, ora chuva, por entre nuvens matizadas, de cinzentos em degradê.   N (...)

Cinco sentidos!

Esperança, brumas das Atlântidas

12.03.22 | Armindo Mendes | comentários (1)
Tato, poder alma de outrem afagar; Tato, dedilhar-lhe o coração; Tato, olhos sem brilho enxugar; Tato, abraço de pai em rebento filho; Tato, percorrer pele sem destino, volúpia; Tato, cama sôfrega ou dar a mão!   Olfato, prados de (...)

Numa lenda NeverEnding Story

19.12.21 | Armindo Mendes | comentar
As palavras, como as flores e os sonhos, têm a idade, o tamanho, o tom, o cheiro, a textura, o caminho, o tempo, o idioma e as formas que queiramos!   São peças de Legos universais que, sentados no quarto, de meninos de calções e (...)