Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

03
Mai24

O barco que desce serenamente o Douro…

Tanta tranquilidade que até “dói” …


embarcação rio douro Resende Porto de Rei.jpg

O barco que desce serenamente o Douro…

Tanta tranquilidade que até “dói” … neste silêncio...

Em Porto de Rei, terra de cerejais, degustada a deliciosa fatia de uma cavaca de Resende, vemos o cruzeiro fluvial passar, descendo o Douro… entre dois distritos, a norte o Porto (Baião), a sul Viseu (Resende)...

embarcação rio douro Resende Porto de Rei02.jpg

Sentados ao sol, no ancoradouro, com as águas do grande rio aos pés, quase nos apetecer ir atrás da correntia e caminharmos nas águas, ao lado do barco, pachorrento, saudando os turistas de olhos em bico encantados com tanta beleza da paisagem… em todos os idiomas a bordo ou com um universal sorriso de orelha a orelha próprio destas gentes do norte de Portugal…

Coisas simples, assim, se fazem, nem que seja imaginando, entre margens deste Douro Verde, por terras do românico!

Brindemos, pois, com o avesso de Baião, na outra margem!

 

15
Abr24

Milhões de pigmentos nesta bela sinfonia!

Onde o Douro maior ondula entre maciços de papoilas


Douro Internacional passeio de Barco Mianda do Dou

Com tudo o que encerra, a Primavera, que bem-vinda sejas, proporcionas momentos assim, adocicados com lindas papoilas ao vento de abril, uma singeleza que não queremos incomodar, mas que nos convida a sentar-nos no prado, entre flores silvestres e muito verde…

Uma paisagem maravilhosa, onde o Douro maior, o mais musical dos rios, ondula entre os maciços rochosos transfronteiriços… há milhões de anos, quando não havia países, onde um dia já houve mar!

Que quadro tão belo que a Natureza nos oferece, mais um em que nos sentimos gratos por estarmos ali, dela desfrutando ao miradouro, num silêncio profundo, que queremos ouvir com alma, só acordados pelas águias reais ou pelos grifos que patrulham os céus de Miranda, em belos bailados!

Miranda do Douro papoila.jpg

Uma Criação em maiúsculas que sorri, enquanto os nossos sentidos, em orquestra, se esforçam para absorverem cada aragem que nos cobre o rosto, cada cheiro, cada um dos milhões de pigmentos de cor que formam esta bela sinfonia, em forma de papoila!

 

21
Nov23

Momentos assim...

Contemplá-las, ali - as cores - ao sol de novembro que queremos abraçar!


outono casa de tormes fundação Eça de Queiroz.j

Estas pigmentações de outono, com as suas matizes, nuances e degradés, seduzem as almas dos sonhadores de quimeras, por caminhos entre socalcos, do leito do Douro até ao cume.

Como no Caminho de Jacinto, de Eça, à passagem, sem pressa, quedamo-nos ali, com semelhante beleza, numa simbiose acabada, multicolor, entre o engenho humano de tempos idos, numa casa rural, e a ode da natureza, trajada com tantas cores cálidas, dos castanhos, aos amarelos e ao carmesim, que nos acaloram o peito só de contemplá-las, ali, ao sol de novembro matinal que queremos abraçar!

Descrever não é pintar. Aos poetas faltam os pincéis, faltam as telas, os cheiros das aguarelas, os cavaletes, mas sobram as letras de escriva, a alma que brota pela pena, em estrofes de emoção, pontuadas com a exclamação e as rimas maiores da vida, sempre!

 

20
Nov23

Caminhos assim!

Douro: tanta água que brilha aos fios de sol


O rio Douro é uma torrente de emoções quando o olhamos com vistas de ver, do cimo da serra, entre nuvens graciosas que o saúdam, como dedos que tateiam num veludo azul-celeste, com bordos de ouro.

Paisagem Rio Douro Baião Aregos.jpg

O que vemos então? Vemos tanta água que brilha aos fios de sol, perpassando montes e vales, num leito curvilíneo, majestoso, como o rabelo, que segue até "Portus Cale".

Paisagem Rio Douro Baião Aregos02.jpg

Sob pontes do comboio, deixando para trás tantos socalcos de beleza, de miradouros com pedra de xisto, de cerejais sem fim, de ermidas e mosteiros românicos, de romances de Eça, de devaneios de Torga, ou dos néctares de Baco, sob a forma de cálices de Porto.

 

 

04
Nov21

Sermos na alma, os primeiros


folhas de outono blogue.jpg

 

Dias curtos chegaram, opereta de tons marrom, nas folhas caídas, ao vento levadas, nas escarpas onde se erguem fernandinas muralhas...

 

As folhas são carpetes de pontos de bronze, como a ponte dos comboios a vapor ou paço de glórias idas, estendidas, escadas abaixo.

 

Ali, o sol apressado nos telhados toscos, casario das ruas de granitos do tempo, paredes cobertas por mil falhas...

 

Com artes dos pretéritos, os das mil e uma culturas, para – invictas e juntinhas - se espraiarem no colo do Douro, como uvas em cacho.

 

 

 

E as folhas outono, com timidez de cobre e toque estaladiço, flutuam, em cardume, olhando as pontes, os rabelos barcos...

 

Mirando a românica sé, altaneira, na colina, até provarem o sal, no Castelo do Queijo de marinheiros.

 

As folhas hão-de voltar viçosas, quando a primavera acordar, em gesto de esperança para júbilo de fortes e fracos

 

E nos palácios de cristal de nós todos proporcionarem fresco ar, na sombra em piqueniques sermos na alma, os primeiros.

 

 

22
Abr13

O Douro por terra de Tormes, que Eça imortalizou


 

Uma imagem do Douro, tão belo, que aqui, em Caldas de Aregos, em dia ensolarado, como o de domingo, acolhia embarcações de recreio. Na outra margem, ao fundo, a Linha do Douro, as encostas de Baião, concelho verde, tão rico em paisagens e tradições. É terra de Santa Cruz, terras de Tormes, que um dia foram de Eça de Queiroz, que ali escreveu "A cidade e as Serras".

Era esta pequena estação que o romancista descrevia no seu livro, nas idas e chegadas!

 

22
Abr13

O imenso Douro Verde!


O imponente rio Douro, aqui no território vestido de tons esverdeados que pintam as encostas das terras de Resende, Baião e Cinfães, as mesmas que Eça tão bem descrevia!

Por isso há quem chame a este território do “Douro Verde”, numa alusão à vegetação viçosa, mas também ao Vinho Verde que estas encostas ajudam a tornar tão adamado.

Foi no fim de tarde de domingo, quando o sol se punha por detrás de montanhas, que registei o momento.

 

07
Jun12

Resende, o paraíso da rainha dos frutos - a cereja


Há dias, passando por Resende, não resisti a provar a rainha dos frutos - a cereja - que abundava nas inúmeras árvores daquelas paragens ribeirinhas do Douro.

 

Por momentos, a convite do respetivo proprietário, visitei demoradamente um dos maiores pomares de cereja de Resende.

 

Foi um momento que me surpreendeu, porque nunca tinha estado rodeado de cerejeiras carregadas de fruto, em tão grande número. Diria até que os meus olhos quase se perdiam, observando os frutos de vermelhos viçosos e suculentos, de calibre abastado, que pendiam dos ramos vergados ao peso de tanta luxúria.

 

Obviamente que, à medida que avistava e, de quando em vez, "apalpava" alguns dos frutos, me ia crescendo água na boca.

 

O desejo foi prontamente satisfeito por uma mão cheia de cerejas deliciosas que degustei com imenso prazer, enquanto observava a imponência do Douro que passava ali perto.

 

Fica a promessa de para o ano voltar e revisitar o paraíso da rainha dos frutos.

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D