Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

12
Abr24

Guimarães, o meu berço e o de Portugal, também!!!

Colina sagrada, onde nos sentimos mais portugueses do que em qualquer outro lugar de Portugal


castelo de Guimarães22 copiar.jpg

Aqui nasci e medrei nestas terras santas de Guimarães, o meu berço e também da minha pátria!

Que orgulho por ter tido a distinção de ter na minha Guimarães um símbolo tão essencial da portugalidade, como é o seu imponente castelo, onde tudo terá começado…hoje repositório do orgulho nacional, das nossas raízes como povo!

Eis a colina sagrada, com a capela de S. Miguel, onde, diz a lenda, terá sido batizado o nosso primeiro rei, e junto dela onde corri quando era pequenino, acompanhado do meu pai, que me contava quando também ele, enquanto criança, viu a reconstrução do castelo… 

castelo de Guimarães.jpg

E com os meus olhos de menino fitados nas enormes paredes de granito do Minho, com as suas ameias, com os seus portões, com os seus arcos perfeitos românicos… que me viram, já adolescente, admirá-los!

Castelo de Guimarães engalanado copiar.jpg

No alto da torre de menagem, tanta vertigem, a bandeira com a cruz azul sobre fundo branco, a primeira de Portugal, de D. Afonso Henriques, que ainda hoje se pode observar nos dias solenes, como o 24 de Junho, Dia Primeiro de Portugal…feriado no meu berço... e que devia ser de Portugal também!

Paços dos Duques de Bragança2.jpg

Um castelo medieval e o Paço dos Duques de Bragança que ainda hoje me fazem fantasiar com as aventuras de cavaleiros medievais que eu via, menino, nos meus livros de figurinhas aos quadradinhos!

E aquelas armaduras prateadas, brilhantes, que os guerreiros da Reconquista, com o seus escudos longos envergavam lá no alto de uns cavalos brancos, vistos nas Gualterianas, elegantes, na rua de Santa Maria acima, até ao trono do Rei, em reverência, como nós, hoje ainda!

Afonso Henriques Guimarães.jpg

 

 

 

 

19
Abr23

Grato por haver aldeias assim, de encantar!

Castelo Novo - pracetas ao virar da esquina, com tantas marcas medievais


castelo novo castelo largo da câmara02.jpg

Percorrer os caminhos de Portugal, como tanto gosto de fazer, permite-nos ver aldeias históricas encantadoras, escondidas pelo tempo, mas que, sabiamente, têm sido recuperadas e preservadas, sobretudo na Beira Interior.

Há, felizmente, alguns bons exemplos, como este, em Castelo Novo, no concelho de Fundão, cuja recuperação do edificado tem sido notável nas últimas décadas.

Já lá não ia há mais de 20 anos e lá voltei agora. Que agradável surpresa ver como floresceu aquele burgo que um dia vi quase abandonado.

castelo novo castelo largo da câmara.jpg

Ver, agora, aquele casario, fontes, pelourinhos, palacetes brasonados, capelas, ruelas de pavimentos íngremes, pracetas ao virar da esquina, com tantas marcas medievais, destacando-se, obviamente, o seu castelo no topo do maciço rochoso, proporciona-me uma grande satisfação e orgulho de que, quando há vontade, mesmo o mais difícil se torna possível.

castelo novo castelo largo do lagar.jpg

Caminhar lentamente na malha de artérias de Castelo Novo é gratificante, com tanto para apreciar, com fachadas em granito de casas de encantar, de pequenas janelas, onde os gatos, por entre as cortinas bordadas, de olhos fitos, veem quem passa, num domingo solarengo, de um azul céu infinito, de manhã, quando a missa de Ramos vai começar e os sinos tocam alegres à passagem da pequena procissão, com algumas crianças felizes.

castelo novo castelo.jpg

E a aldeia tem uma paisagem circundante maravilhosa, onde não faltam trilhos pedestres para descobrir, no sopé da Gardunha, nesta Primavera cheia de flores, verdes viçosos nos prados, linhas de água cristalina à entrada da pequena urbe e fragâncias silvestres, como as da Cova da Beira, com sabor a cerejas, mel e laranjas à mão de semear!

 

 

 

16
Jan23

Asas de devaneio que se pode contar

Ritmos e tons que as letras vão mostrando


Castelo do Queijo.jpg

E há castelos imensos de sonhos para contar, este ou outro qualquer, só há que abrir as asas e voar.

Sem medos, deixar a caneta voar, voar, voar!

É lindo olhar o mundo lá de cima, ficar tão leve e sentir a brisa que refresca a alma.

Que espicaça nas asas de um devaneio que se pode contar em estrofes de encantar.

E fazer cantigas de amigo ou cantigas de amor, sem contar, com ritmos e tons que as letras vão mostrando, como notas musicais!

Armindo Mendes

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D