Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

29.09.21

Outono das cores e das vermelhas batalhas

Armindo Mendes

Flor outono vermelho.jpg

Outono é de amarelos maduros, castanhos-bronze e flores vermelhas tardias;

Outono é sala de espera para o general inverno forrada a fetos envelhecidos;

Outono é partida de migrantes que voam para o sul em grandes correrias;

Outono é tempo de nos recolhermos e nos abrigarmos, por causa do frio, nunca perdidos.

 

Outono é o final de tarde com sol ouro, no sal do mar, que esvai entre as traineiras:

Outono é no horizonte de além-mar um quarto minguante para as manhas da lua;

Outono é ver a natureza desnudar-se do verão e agasalhar-se nas lareiras;

Outono trava o equídeo sem deixar D. Quixote imaginar Dulcineia no fundo da rua.

 

Outono é Sancho recolher-se na taberna para a pança encher após venturas sem fim;

Outono é o fiel escudeiro beber vinho novo na taberna e saciar-se com castanhas;

Outono é ver D. Quixote tristonho por o frio vindouro arrefecer delírios de marfim;

Outono é ver os moinhos de vento, como soldados hirtos de lanças imaginados, de meias carpim.

 

Outono é resfriar arianos exércitos de batalhas lá na Rússia para foices e martelos os derrubar;

Outono é soldados de suástica nas taigas que padecem às agruras das neves árticas;

Outono é ver combates em Leningrado, com brancas vestes de carne para canhão lamentar;

Outono é cada anónimo, cabo ou capitão, com famílias para trás, que sucumbe sem cartas mandar, das américas ou das áfricas.

 

Outono é ter heróis dos desertos ou das terras do sol nascente que retornam ao lar;

Outono é gritar vivas nas terras do tio Sam, bandeiras ao vento, é ver pais de rostos molhados e filhos com as vidas em pedaços;

Outono é os governos que escrevem cartas às viúvas e às mães desafortunadas que querem apenas os filhos chorar;

Outono é ver o capacete baleado sobre o cano da espingarda, num lar de pesadelos de sobrevivos nas mães em regaços.

Armindo Mendes

outono de 2019

 

1 comentário

Comentar post