Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

05.04.22

Olhos desabrocham em lágrimas de coração

Milhões de pontos cintilantes, da cor da alma

Armindo Mendes

Degustado, sem pressas, o arroz de favas, passeado o jardim palaciano de japoneiras e laranjeiras, a velha estrada 108 apresentou-se, como outrora, com curvas e contracurvas, sob um brilho de Primavera, imitando os caprichos do Douro verde, de Tormes, ao fundo, num sobe e desce, nos seios das serranias, para um intento a cada ano, que se engalana de branco, do mais branco que há, em cachos de delicadeza sem fim, quase sem cheiro, mas que fazem pasmar, em deleite, os espelhos do espírito.

 

A caminho de Porto de Rei, aquele sítio mágico, entre o rio e as serranias dos mosteiros românicos, que em socalcos curvilíneos sobem quase até ao céu azul, pintadas, por ora, de tons alvos, num espetáculo da natureza humanizada, tão desafiador que os olhos desabrocham em lágrimas de coração.

A descida para o rio faz-se vagarosamente, parando tantas vezes quantas o nosso espanto ordenar, para mais uma fotografia, para mais uma vénia, para mais um carinho à flor.

Na nossa mão, refletindo na menina dos olhos, cada pedaço de bagos brancos, de petalazinhas enroladas entre si, pitéu de abelhas, num ciclo mágico que embriaga a existência, a vida.

Tão veemente olhar em volta, acima e abaixo e por todo o lado, inspirar num misto de sofreguidão e prazer, aquele quase mar de cerejeiras em flor, em fervor, levemente ondulantes pela brisa. Impotente sou, não consigo parar o tempo, naquele momento em tons de sétima arte.

Lá, o Douro, para onde olhamos sempre e sempre, com pasmo, um rio imenso na sua alma das gentes do Norte, uma artéria maior por onde, desde tempos imemoriais, corre o nosso coração, o nosso sotaque, o nosso inconformismo, como povo, porque nestas terras do condado onde nasceu Portugal.

Em Porto de Rei é sempre assim, em abril, prados de flores silvestres e famílias que fazem os seus churrascos, desfrutando dos primeiros dias amenos, salivando por mais umas semanas, quando o branco que cobre a paisagem der lugar ao vermelho da rainha dos frutos, as belas cerejas de Resende!

Serão milhões de pontos cintilantes, da cor da alma, a corar a paisagem da Cidade e as Serras, para gaudio dos gulosos do fruto carnudo, eu confrade me confesso, tanto como as conversas.

Hão de ser muitas cestas a caminho das feiras da região, muitas improvisadas em bancas na beira da estrada, para os cavalheiros após jornada de trabalho levarem para casa, em belos cestinhos, com fitinhas de cetim, num belo presente à família, quiçá com rebuçados da Régua para os mais traquinas.

Na outra margem, o comboio que para Oeste leva outros como eu, do mundo maravilhoso destas flores tão belas, como manto de noiva, obra-prima do Criador, para nós!

No regresso às curvas e contracurvas da marginal, paragem, que a tradição ordena, para momento pecaminoso no centro da vila, sucumbindo à tentação das cavacas de Resende, sob a forma de milhões de calorias, para luxúria dos palatos gulosos dos mortais.

No centro de pequena urbe, quase sem gente, percebe-se o pôr sol, por entre os pilares do coreto triste, sem música há muito, e o arrepio que nos impele a apertar o casaco, que o verão ainda vem longe.

Na descida, até à ponte da Ermida, devagarinho no carro, tempo para pasmar com o espelho de água que se refastela, pachorrento, a caminho da foz, na Invicta, onde o sol se vai deitar daqui a pouco e a Lua acordar para pratear o rio com raios subtis e sobre os rabelos à beira da Ribeira, numa tela a preto e branco, como vultos de cálices de Vinho do Porto.

Resende cerejeiras em flor resende 2011 (74) copia

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.