Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

20.04.22

Mãe, hoje farias mais uma Primavera

Eras uma mulher bonita, com classe, uma força da natureza!

Armindo Mendes

IMG_20210926_001020__01 (002).jpg

Já há alguns anos que partiste!

Foste ter com o pai e deixaste um vazio imenso na minha alma!

Naquele dia, sem pai, sem mãe, fiquei “sem chão”, perdido algures, sem referências!

A tua despedida final, o teu último suspiro foi nos meus braços – e como doeu e dói esse momento.

Não preciso de dizer o quanto te amava. Tu sabias.

Era um amor correspondido, nas nossas cumplicidades, nas ruas da nossa Guimarães, passeando de braço dado, lanchando na Clarinha o teu bolo de arroz com cevada. Nós sabíamos, que ficou muito intenso quando o pai partiu!

Quando chorámos juntos, tantas vezes!

Eras uma mulher bonita, com classe, uma força da natureza!

O teu belo sorriso, a tua alegria, a tua capacidade de trabalho, ajudando o pai, e o amor incondicional à família eram as tuas impressões digitais!

Quando, em 2001, seguraste o meu filho recém-nascido ao colo, teu neto Bruno, foi uma das visões mais maravilhosas que eu tive na vida!

E recordo quando, em minha casa, me pedias para eu pôr tangos a tocar, sobretudo o "La Cumparsita", o teu preferido, para dançares comigo, todo desajeitado!

mãe e eu 2.jpg

Recordavas a tua juventude no Casino da Póvoa, eu sei, porque eras de facto uma mulher "fina".

De ti recordo tantas coisas boas e menos boas (doença), do meu tempo de “menino da mamã”, até ao teu momento final, precedido de uma agonia atroz e injusta para uma alma tão doce e generosa como a tua!

Um dia, já doentinha, com grandes dores de cabeça, disseste-me lá em casa, olhando-me nos meus olhos: “Eu não quero morrer, meu filho!!!”.

Já não sei como te respondi, mas abracei-te.

Para mim nunca morreste!

Viveste, vives e viverás no meu coração, até ao meu último suspiro!

Amo-te, querida mãe!