Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

13.07.22

Graciosa, hortências de bela canção!

Teu mar, teu sal, salpicam paisagens

Armindo Mendes

Graciosa, ínsua branca, conheci-te, finalmente!

Das nove atlântidas furtivas, a última na minha admiração

Tua quentura suave, sem pressa, tempera ao sol poente…

Teu mar, teu sal, salpicam paisagens, como notas de bela canção!

Graciosa 02.jpg

Que sublime desenho, no voo de garajau, nesse salgado mar

Como as tuas manas, ergueste-te com graça maior

Moinhos, impérios, ermidas, casinhas de encantar

Igrejas de séculos, muros de basalto, vinhedos ao calor!

Graciosa 01.jpg

Serras, a branca e as fontes, a caldeira, a vegetação faustosa!

Laurissilva abundante, naquele quinhão, que ar tão verde, tão doce!

A passarada das ilhas exalta os sentidos, na alma que goza!

Olho na cumeada o chuvisco que molha a pele, à bruma, como borboleta fosse!

Graciosa 07.jpg

Impressionam as entranhas, em abóbada, da furna do enxofre, os vulcões, dos Açores, o fado!

Picos suaves mostram aos forasteiros andantes vistas que coram a memória

Atlântico sem fim, ravinas, nuvens de tantas nuances, prados, gados…

Silêncios na Ponta da Barca, formas basálticas de baleia, farol da Barca, tanta história!

Graciosa 03.jpg

Eternamente… Moinhos de vento à bolina, para os cereais

No pretérito, esses engenhos moíam os gãos para pão.

Hoje, parados, posam, com graça, para a foto, belos, sem iguais.

Como os lagares onde já não se pisam uvas, ou velhas pipas, em solidão.

Graciosa 089jpg.jpg

Santa Cruz, tua brasonada capital, abrigo nos descobrimentos!

Casario branco rebordado a negro, coreto descoberto, pracetas, árvores centenárias…

Acolá, na Calheta, rampas da caça à baleia, botes, arpões, memórias de passado sangrento.

Ali, teus tanques, outrora para gado, na calçada desenhos e belas luminárias!

Graciosa 08.jpg

E na Ribeirinha, burros são animais obreiros e dóceis, da “ilha dos burros”, carinhosamente, os seus

Como as centenárias touradas à corda, espetáculo aos meus olhos sem graça, mas marca das gentes…

Doces as Queijadas da Praia, frescos os peixes da Luz, das traineiras de S. Mateus…

Como o alho da ilha, suave no pão, ou as termas do Carapacho, para os ilhéus doentes!

Graciosa 06.jpg

Graciosa, a derradeira das esmeraldas encantadas, no livro meu de visitas aos Açores!

As ilhas da bruma, das areias negras, das lagoas de namorados, das fajãs, dos vulcões, das furnas, da Laurissilva, das tradições, dos mares…

Caminheiro ali, incapaz sou de escolher a mais bela, porque por todas sinto tantos amores!

A cada ida, alegria de chegar, a cada partida, o vazio de deixar e a vontade de ficar!

 

Armindo Mendes, julho de 2022

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.