Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

16.01.12

Política em Felgueiras: Maré mansa à superfície, mas só à tona de água…

Armindo Mendes

Por estas semanas, as coisas só andam aparentemente calmas na política de Felgueiras.


À superfície a maré é mansa, mas logo abaixo da tona de água, andam agitadas as águas.


Apesar de todos já estarem com os olhos postos nas autárquicas de 2013, este não é o tempo de os protagonistas da política local, pelo menos os mais sabidos, darem tiros de pólvora seca nem confiarem trunfos à concorrência.


Este é o tempo de os bastidores falarem mais alto, embora sussurrando, com uns e outros, nos seus expedientes, fazerem conjeturas e observarem estratégias focadas nos protagonistas que se perfilam no horizonte das apostas.


Fervilham os aparelhos partidários, perspetivando as danças dos cargos, dos compromissos e das cadeiras.


Para já, sucedem-se os encontros de notáveis e pretendentes a notáveis, em locais discretos, alguns fora de Felgueiras, as abordagens, os convites e as conversas sobre o que aí vem, uns na ótica da situação, que urge preservar, outros, da oposição, na vontade de chegar ao poder outrora detido.


Eu sei, todos sabem, inclusive os do poder, que muita coisa, quiçá determinante, se está a jogar por estes dias, capaz de perturbar o “status-quo” e induzir fatores de incerteza quanto o resultado final.


Os ciclos repetem-se a cada quatro anos, num frenesim alimentado pelo fascínio da política e tudo o que ela proporciona aos ditos políticos.

 
Os protagonistas não mudaram muito. Hoje, contudo, alguns, frágeis no passado recente, sentam-se agora em cadeiras diferentes, confortavelmente refastelados até, confiantes que as bases são sólidas.


Alguns, seduzidos pelos holofotes do poder que lhes encandeia a perspicuidade, olvidados estão que o destino lhes foi bonançoso, mas que o futuro, já amanhã, trilha-se hoje com pés de barro...


A política é assim mesmo.

 

Só os mais incautos julgaram, no passado, o contrário...