Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

12
Mar11

Misericórdia de Fafe presta apoio a mais de 600 utentes e é dos maiores empregadores do concelho


IPSS tem em curso projetos para novos lares de idosos no valor de três milhões de euros

 

A importância da Santa Casa da Misericórdia de Fafe (SCMF) no contexto social do concelho comprova-se nas mais de 600 pessoas, de vários escalões etários, que contam com o apoio desta grande instituição centenária.

As gentes desta terra minhota há muitas gerações que contam com as várias valências da sua Santa Casa, nela confiando os cuidados a centenas de idosos (atualmente mais de 200 em regime de internamento) e o apoio à educação nos primeiros anos de vida a inúmeras crianças.

Quatro lares de idosos, centro de dia, apoio domiciliário, dois jardins-de-infância, quatro centros de ATL e salão de estudo são os serviços prestados à comunidade fafense.

A relevância social da instituição também se afere nos 214 funcionários que nela trabalham, o que a transforma num dos maiores empregadores do concelho.

Apesar dos seus quase 150 anos de existência (foi fundada em 1862), a Santa Casa da Misericórdia há muito que é reconhecida pela capacidade de melhorar os cuidados prestados aos seus utentes.

O percurso desta IPSS (instituição particular de solidariedade social) tem sido feito de constantes melhoramentos e acréscimos quantitativos na sua capacidade assistencialista. À evolução das necessidades sociais das novas gerações tem correspondido o reforço das instalações, com a construção de novos equipamentos e a qualificação em crescendo dos recursos humanos.

Neste contexto, presentemente, a SCMF tem em curso dois projetos ambiciosos, que representam no conjunto um investimento superior três milhões de euros, que passam pela remodelação completa de um dos seus lares de idosos e a construção de um novo equipamento para 40 utentes.

 

As valências e as instalações

 

A Santa Casa da Misericórdia de Fafe tem quatro lares que acolhem 210 idosos em regime de internamento. A sede da instituição (Lar Cónego Leite Araújo) situa-se no centro da cidade. Além dos serviços administrativos e logísticos, aqui estão internados 85 utentes. Os restantes idosos em regime de internamento estão distribuídos pelo Lar de Santo António, também na cidade, pelo Lar Joaquina Leite Lage, na freguesia de Cepães, e pelo Lar Alzira Oliveira Sampaio, em Quinchães, que é o mais recente em termos de construção.

Os serviços da SCMF incluem ainda centro de dia para 20 utentes, apoio domiciliário a 45 idosos e apoio domiciliário especializado a 45 portadores de deficiência.

A instituição também tem uma atividade intensa no apoio que presta às famílias através dos dois jardins-de-infância afetos à misericórdia fafense. Mais de 250 crianças frequentam a creche e a pré-escola. A instituição também proporciona atividades de tempos livres (ATL) e um salão de estudo frequentado por mais de sete dezenas de jovens.

 

Projetos ambiciosos

 

Nesta fase, a SCMF tem em curso dois projetos, orçados em mais de três milhões de euros. O primeiro, num investimento de 1,4 milhões de euros, prevê a remodelação completa do Lar de Santo António, conhecido na cidade como o antigo grémio. Todo o imóvel, no âmbito de uma parceria com a câmara municipal, vai sofrer obras de remodelação, mantendo, no entanto, a sua traça original de palacete brasileiro. A candidatura aos fundos da União Europeia (EU) já foi aprovada, decorrendo atualmente o concurso público. A obra vai arrancar no próximo verão.

O segundo projeto passa pela construção de um novo lar para 40 idosos em Quinchães, contíguo ao atual. O novo equipamento vai custar 1,7 milhões de euros e a obra deverá arrancar ainda este ano. Neste investimento, a IPSS fafense vai assumir um investimento de um milhão de euros, só possível graças à sua boa saúde financeira. A candidatura foi aprovada e está em preparação o respetivo concurso público.

Entretanto, nos últimos anos, a sede da instituição também foi melhorada com novos equipamentos de proteção contra incêndio e a instalação de videovigilância. A maioria dos quartos deste lar foi equipada com camas articuladas elétricas de última geração. Novas salas de fisioterapia, música e leitura foram outros melhoramentos realizados no Lar Cónego Leite Araújo.

Recentemente, três dos lares foram apetrechados com painéis solares (114 no total), num investimento global de 160 mil euros, 70 mil dos quais assumidos pela instituição, o que deverá diminuir até 30 por cento alguns custos energéticos.

 

Gestão complexa em tempo de crise

 

A provedora da SCMF, Maria das Dores Ribeiro João, que cumpre o seu segundo mandato, admitiu ao Repórter do Marão (RP) que gerir uma IPSS deste dimensão é uma tarefa complexa, mas ao mesmo tempo muito motivadora sob ponto de vista pessoal.

A provedora agradece o apoio e o profissionalismo dos colaboradores, sem os quais, sublinhou, o trabalho realizado nas várias valências não seria tão profícuo.

Maria das Dores Ribeiro João lembrou que atualmente, no quadro de crise social, é mais difícil a gestão corrente deste tipo de instituições, porque são confrontadas com mais solicitações e a diminuição de receitas. A responsável recorda que são em menor número os beneméritos e os familiares dos utentes também colaboram menos nas despesas. A crise nos últimos anos traduziu-se nos pedidos de famílias em dificuldades financeiras no sentido de serem diminuídas as mensalidades pagas por terem as suas crianças nos jardins-de-infância. Ao mesmo tempo, tem aumentado o número de pessoas, a maioria homens, a pedirem refeições diárias na instituição.

No entanto, para a provedora, neste quadro de dificuldades, é fundamental “continuar prestar um serviço de qualidade, com uma gestão rigorosa dos custos”.

Os melhoramentos que têm sido adotados, com a qualificação das instalações e a contratação de mais quadros técnicos, nomeadamente enfermeiros e assistentes sociais, inscrevem-se na política de resposta às novas necessidades de cuidados, nomeadamente o facto de os utentes chegarem cada vez mais tarde e mais debilitados à instituição.

 

Artigo publicado na edição de março do "Repórter do Marão"

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D