Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

20.04.10

> Justificar o injustificável!

Armindo Mendes

Há pessoas que ficam incomodadas com a incoerência dos que com essas se relacionam em diferentes planos. Eu incluo-me nesse leque.

Admito, por isso, que, como outros, tenho uma dificuldade terrível em lidar com comportamentos incoerentes de uma certa estirpe de pessoas.

Os dias passam e quem de nós já não se deparou com atitudes de outrem que nos deixam atónitos, quase estupefactos, tão inverosímeis tão eivadas de desfaçatez elas nos parecem.

Quantas vezes nos debatemos com um conjunto de circunstancialismos que, conjugados, apontam para uma certa impotência da nossa parte em lidar com factos que nos deixam atónitos.

Quando tal ocorre interiorizamos um inconformismo difícil de suportar.

É difícil lidar hoje com pessoas cujos comportamentos, afirmações e atitudes contrastam de forma grosseira com o que defendiam no passado.

Sobretudo um conjunto de valores que julgávamos ter um denominador comum com o que perfilhávamos e, por isso, se desenvolveram relações que julgávamos, então, serem de confiança.

Quanto tal ocorre a incoerência resvala para uma certa traição. E essa é mais crua.

Percebe-se que as certezas, as convicções do passado, propaladas com espírito quase profético, afinal, hoje são estéreis, são voláteis, são moldáveis a uma nova realidade, esta, agora, eivada de interesses com vestes renovadas, mas que outrora se diabolizavam. Sim, sem dúvida. As evidências são claras.

E de tal forma assim é que tendem a justificar o injustificável, tendem a querer convencer os mais incautos de que afinal o rei não vai nu.

No mundo dos valores e dos princípios, é preferível lidar com os lobos de dentes cerrados. Com esses já sabemos com o que contamos e por isso estaremos mais precavidos.

Mais perigosos, astutos, são alguns novos lobitos, mas que vestem pele de cordeiro. Com esses, os tais que no passado tinham palavras mansinhas e hoje urdem elaboradas estratégias, há que ter muito, muito cuidado...