Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Marca d'Água

20
Jan23

Grandes músicas, eternas


“Once Upon a Time in the West” é uma das grandes músicas da banda sonora do ‘Western’ com o mesmo nome, realizado em 1968, por Sergio Leone, com banda sonora do inesquecível Ennio Morricone.

Esta composição musical, que tem muitas versões, é uma das mais belas melodias alguma vez criadas por um ser humano, na minha humilde opinião.

Esta versão, interpretada por Benedetta Caretta, está entre as mais bem conseguidas, para ouvir muitas vezes e deixarmo-nos ir até onde a alma de um mortal quiser, quem sabe: Era uma vez no Oeste.

17
Jan23

Deitado nelas, nos braços dos seus cerrados

Banquete de sentidos, furnas de prazer


ssss.jpg

Há imagens que "valem por mil palavras", diz a frase dos postais... Tenho esta fotografia, registada em 2014, na Ilha do Pico, nos Açores, com vista para a Ilha de São Jorge, a minha “lagarta”, como gosto de lhe chamar, do outro lado do canal de Vitorino Nemésio, retratando uma paisagem que me encantou, a partir de um ponto, na costa norte, de onde, por detrás de flores amarelas, era possível observar os grandes cetáceos, nas suas migrações épicas, aquecido por um sol de fim de tarde que me convidou a ficar ali, olhando… inspirando, vendo as aves marinhas que, graciosamente, pintam o céu azul de pontos brancos, no seu bailado.

Que espetáculo da natureza, que saudades daquela maresia, daquelas ilhas mágicas que, como fajãs gémeas, me enfeitiçam, que me fazem tão feliz quando, sem cansar, as visito amiúde, para nelas ser mais eu, mais livre!

ILha de São Jorge Fajã.jpg

Não consigo dizer qual a mais bela das atlântidas, porque de todas, do Corvo a São Miguel, guardo “visões” extraordinárias no meu banco de memórias sob a forma de hortênsias.

Não são apenas visões, são um tanto de tudo, um banquete de sentidos, picos de prazer, que as minhas palavras, sem jeito, não conseguem narrar, tão pequeninas são face às lagoas de emoções que preenchem a minha alma, como um vulcão, a cada chegada às esmeraldas, lindas de morrer, deitado nelas, nos braços dos seus cerrados, agora, lembrei-me, porque não, no Cume da Terceira, admirando o puzzle de verdes viçosos.

ILha do Pico pôr do sol.jpg

Olhá-las, senti-las é mágico, perdidas no meio do Atlântico, onde gosto de estar, sentado numa rocha basáltica, à beira mar, vendo o sol se pôr, para mais uma noite que o farol de Santa Maria pinta com traços de luz, mar adentro, até à marina da Horta, no Porto Pin, repouso de marujos dos sete mares, como o dos Açores, o mais belo que alguém divino, quem sabe, desenhou um dia.

Velas ao vento, como aquele que agita as altaneiras quedas de águas das Flores, para a América voltadas, no Poço do Bacalhau, o mais extraordinário dos postais que os meus olhos alguma vez contemplaram. Olhei-o tanto, meu Deus!

Sento-me num tronco de criptoméria, na margem da lagoa, a dos Patos, talvez, sinto a humidade no rosto, pedaços de água fresca que da cascata borbulham no ar.

ilha do Faial 2014 cidade da Horta.jpg

Então, sinto-me como no paraíso, deixo-me levar, sem esforço algum, pelo alvoroço de sons, cheiros, arrepios e visões que os meus sentidos, embaraçados, captam, para um sonho mágico na bruma, ali, numa ilha, não importa qual, dos Açores!

poertal ilha de são Jorhe 2014.jpg

16
Jan23

Asas de devaneio que se pode contar

Ritmos e tons que as letras vão mostrando


Castelo do Queijo.jpg

E há castelos imensos de sonhos para contar, este ou outro qualquer, só há que abrir as asas e voar.

Sem medos, deixar a caneta voar, voar, voar!

É lindo olhar o mundo lá de cima, ficar tão leve e sentir a brisa que refresca a alma.

Que espicaça nas asas de um devaneio que se pode contar em estrofes de encantar.

E fazer cantigas de amigo ou cantigas de amor, sem contar, com ritmos e tons que as letras vão mostrando, como notas musicais!

Armindo Mendes

12
Jan23

Tantas recordações, de calções e sandálias

Com um sabor que nunca mais encontrei


Hoje, era quase noite. O casario e ao fundo, no cimo da montanha, a Penha iluminada, numa miragem sem igual, aos meus olhos, de desventurado observador.

Acometido por maleitas do tempo, buscando uma farmácia, parei o carro e, sozinho, subi a avenida, aquela do Conde de Margaride, de tantas memórias, no meu berço, com a escola, ao cimo, a “Chico” de Holanda, onde o menino que fui se fez homem, eu!

Voltei o olhar e lá estava aquele varandim, hoje, às escuras e em silêncio, mas outrora com tanta luz, tantas histórias, tantas ilusões de outros como eu.

Apertei o casaco, fazia frio de janeiro. Mãos nos bolsos, ia subindo a rua, sem pressa, olhando as pessoas que, saindo dos empregos, num fim de tarde chuvoso, como os outros, passavam por mim, sem me verem, correndo para os autocarros, alguns com destino a Pevidém, a minha terra, de tantas recordações, de calções e sandálias.

Parei, sorrindo para mim, apeteceu-me subir e viajar no autocarro com essas pessoas para lá, sentado ao seu lado, dizer-lhes, com orgulho: sou de Pevidém, sou um de vós, vamos conversar!

Que sensação esta de nos vermos, vezes sem conta, chamados para o local onde nascemos, para as nossas origens, só porque sim. E chegados, in loco ou em imaginação, nos sentirmos aconchegados, só por estar junto ao coreto.

Caminhar na minha Guimarães, da minha meninice, da minha adolescência, é um exercício encantador, renovado, sem parar, que não consigo descrever, por palavras! Talvez só por palpitações, sob a forma de bandeiras com cruzes azuis na torre do castelo.

Passar na padaria da Paio Galvão e cheirar aquele aroma a pão quentinho, a trigos de Padronelo que nos convidam a entrar e saborear.

Olhar as montras das lojas da rua de Santo António, que já podia ver quando menino, que resistem ao tempo, como aquelas pastelarias que exibem os seus mil-folhas que tanto gosto, acompanhados de Coca Cola, sabe-se lá porquê, ou as tíbias da Ribela, singulares no sabor.

E fitar o que foi a praça da cidade, onde o meu pai, comigo pela mão, comprava os produtos para abastecer o seu café, como os tremoços para os finos ou polvo fresco, que me impressionava.

Ou numa das portas da vila, aquela casa que vendia e ainda vende café. No passado, nos idos 70`s e 80`s e hoje ainda de lá brota aquele cheiro único a café, que privilégio, numa montra sempre arranjada com lotes da melhor qualidade que brilham ao néon.

À frente, no Toural, perto da varanda onde um dia discursou Mário Soares para a multidão, o Milenário, o café das torradas maravilhosas, com a minha mãe, muito perto da casa dos chapéus, na Alameda. Do outro lado da praça, o pequeno café que servia bolas de Berlim, com um sabor que nunca mais encontrei.

Tantos sítios, tantas festas de Santa Luzia, os sinos de S. Pedro, no Toural, tantos cheiros a bacalhau frito dos tascos, tantas ruelas com cortinas que abanam aos ventos, tantos becos com sacadas floridas, tantas pracetas de japoneiras e amores perfeitos, tantos recantos de cavaleiros medievais, tantos natais, tantas páscoas, como subir as Escadinhas e ir à Feira do Pão. E lá, com o seu casario que me encanta, lembrar o pregão das mulheres que das canastras à cabeça vendiam carapaus e parar para ver a loja que outrora exibia a bola de futebol do Mundial de 1982, que eu namorei tanto, tanto tempo, na montra, até um dia a comprar, esvaziando o meu porquinho das gorjetas!

E o Chico das Novidades, na Rua da Rainha, onde comprávamos os livros escolares, não longe da Praça da Oliveira, de onde eu podia ver a bicicleta vermelha maravilhosa, parada à porta, que já me conhecia dos momentos sem conta em que eu passava diariamente em direção à escola de Santa Clara, parando junto dela, cobiçando-a. A loja também vendia pessebricos!

Um pouco à frente, outra montra com paragem inevitável, porque exibia relógios eletrónicos que me fascinavam… quase como os que eu via no Caminho das Estrelas.

E eu era um menino como os outros, mas uma criança tímida, que escrevia coisas com um olhar diferente, quase de poeta,  quiça precoce, que esboçava numa folha de papel ou no pátio da minha casa as entranhas da minha cidade e sabia de cor os nomes das ruas, dos bairros, das igrejas, dos museus e tantas outras coisas que me fascinavam, numa urbe com tantos sumos, com sotaques lindos para ouvir.

Nos meus sonhos, os meus carrinhos percorriam a minha Guimarães em miniatura, os meus cowboys e soldadinhos, em tantas aventuras, que eu inventava, ao estilo Balada de Hill Street, Uma Casa na Pradaria ou Barco do Amor, em momentos que, à minha maneira, quase sempre sozinho, eram tão felizes, sem eu saber.

Adormecer nas memórias do meu berço é mágico! Hoje dormitei por lá um bocadinho e foi bom!

12-01-2023

Guimarães casario.jpg

05
Jan23

Caligrafia à toa, no que se tornou…

Sem remedeio, apenas achar-se!


Rio Cávado ao pôr do sol em Barcelos copiar.jpg

Gosto de sarrabiscar letras nas folhas de nada. De mim!

Sou compasso de ecos e sombras que se repetem, em matiz, escura.

De sonhos, de amanhãs, de outonos em revoltas, sem fim…

Nas folhas, borrifo alma, vaga à noite, no teclado perdura.

 

Comigo, olho-me, asas de papel, nas minhas mãos…

Se caneta fosse, pedaços de nada e de tudo. No dedilhar!

São bramidos, sem brado, são tremores como Fénix sem vãos

À procura de luz, de volta, atrás do muro, para nada esperar!

 

Nesta trova de caligrafia à toa, no que se tornou…

Verso desengraçado, como se reino meu acabasse.

Mistério de ficar no casulo, sem chama, sem filtro sou…

Num acaso sem caso, sem remedeio. Apenas achar-se!

05-01-2023

 

01
Jan23

Dobra do calendário

Troco o champanhe, por cálice de Porto


IMG_20221223_122203-01.jpeg

Novo ano, diz-se a rodos, nas reportagens nos telejornais…

Do Funchal, a Albufeira, passando pelo Terreiro do Paço, artifícios, glamour.

 

 

Quase indiferente sou às dobras do calendário, porque vejo-as banais…

Troco o champanhe, por cálice de Porto, brinde cálido, a mais um ano vindouro!

 

 

Nos desejos da quadra, avesso sou a ambições desmedidas…

Desejo paz, saúde e esperança.

 

 

Numa volta ao sol adivinho tantas chegadas e partidas…

Votos de um ano venturado, verdadeiro, como a inocência de criança!

Armindo Mendes - 01-01-2023

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D