Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

Marca d'Água

Apenas um olhar de Armindo Pereira Mendes

31.10.10

Vitória todo-o-terreno do F. C. do Porto em Coimbra

Armindo Mendes

E o meu FC Porto lá ganhou em Coimbra. Uma vitória de garra, sacada a ferros, que demonstrou o espírito de esforço e abnegação que tanto aprecio no FCP.
Podia e devia ter sido uma vitória mais folgada, tantas foram as oportunidades na segunda parte, perdidas com grande infelicidade, nomeadamente um lance de Hulk de baliza aberta.

Mas o que me irritou foi a arbitragem tendenciosa na forma como, na sua “soberana” decisão, analisava os lances mais mais disputados, mais musculados, apitando, na dúvida, quase sempre contra o FCP. Algumas faltas contra os azuis e brancos chegaram a ser patéticas. Noutros lances menos claros contra o FCP , o árbitro ia logo apitar, causando com isso jogadas de bola parada muito perigosas para a baliza dos nortenhos.

No final, valeu o grande golo da Varela, um jogador que muito aprecio pela sua tenacidade.

Agora vamos receber os campeões de Lisboa. Espero que o resultado seja o mais natural face à diferença de classe entre as duas equipas, isto é, a vitória do FCP.

Se assim acontecer, acho que ficaremos ainda mais serenos na liderança, anunciando-se um campeão muito antecipado.

E, confirmando-se esse cenário, tudo levará a crer que os campeões de Lisboa nem um ano completo carregarão o título, percebem?

Mas, convenhamos, ainda é cedo para festejos extemporâneos.

E o meu FC Porto lá ganhou em Coimbra. Uma vitória de garra, sacada a ferros, que demonstrou o espírito de esforço e abnegação que tanto aprecio no FCP.
Podia e devia ter sido uma vitória mais folgada, tantas foram as oportunidades na segunda parte, perdidas com grande infelicidade, nomeadamente um lance de Hulk de baliza aberta.

Mas o que me irritou foi a arbitragem tendenciosa na forma como, na sua “soberana” decisão, analisava os lances mais mais disputados, mais musculados, apitando, na dúvida, quase sempre contra o FCP. Algumas faltas contra os azuis e brancos chegaram a ser patéticas. Noutros lances menos claros contra o FCP , o árbitro ia logo apitar, causando com isso jogadas de bola parada muito perigosas para a baliza dos nortenhos.

No final, valeu o grande golo da Varela, um jogador que muito aprecio pela sua tenacidade.

Agora vamos receber os campeões de Lisboa. Espero que o resultado seja o mais natural face à diferença de classe entre as duas equipas, isto é, a vitória do FCP.

Se assim acontecer, acho que ficaremos ainda mais serenos na liderança, anunciando-se um campeão muito antecipado.

E, confirmando-se esse cenário, tudo levará a crer que os campeões de Lisboa nem um ano completo carregarão o título, percebem?

Mas, convenhamos, ainda é cedo para festejos extemporâneos.

 

 

 

 

23.10.10

Experiência audiovisual muito saborosa

Armindo Mendes

Quando o fim-de-semana não é particularmente exigente em termos de trabalho, deixo-me levar por um dos meus entretenimentos preferidos – o audiovisual.

Como nesta tarde de sábado, é sempre um prazer renovado rever ou “reouvir” um grande filme ou alguns dos concertos musicais que tenho na minha colecção de DVD`s/Blu-ray.

E a experiência do áudio 5.1 TrueHD, associado à alta definição 1080 p de imagem, com tecnologia Amblight é verdadeiramente fantástica. Pelo menos para os meus sentidos é de de facto.   

21.10.10

Literatura: "Padre Mário da Lixa" apresenta livro que admite ser “controverso”

Armindo Mendes

Felgueiras, 21 0ut (Lusa) - Mário de Oliveira, conhecido como "padre Mário da Lixa", apresentou hoje no Porto o "Livro da Sabedoria", um trabalho que o autor admite "poder ser controverso".

Em declarações à Lusa, explicou que o livro "pode conter reflexões que abalam as raízes cristãs do Ocidente".

Num livro com cerca de 300 páginas, Mário de Oliveira conclui que o cristianismo ocidental atual, associado "ao modelo de sociedade que está a gerar tanta dor e tanto sofrimento", pode constituir "um desvio do Jesus histórico".

20.10.10

Paços de Ferreira: Empresa que gere hospital encerra por falta de viabilidade económica

Armindo Mendes

A empresa que há cerca de três anos gere o Hospital da Misericórdia de Paços de Ferreira vai encerrar por “falta de viabilidade económica face aos prejuízos acumulados”, revelou hoje à Lusa o provedor da instituição.

“A empresa não tem capacidade de sobrevivência, porque tem vindo a acumular dívidas”, adiantou Augusto Bismarck.

Desde 2007 que o hospital de Paços de Ferreira é gerido pela Hospaf, uma sociedade anónima na qual os maiores acionistas são a Santa Casa da Misericórdia local, detentora do edifício, e a CESPU (Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário).

 

http://www.tamegaonline.info/v2/noticia.asp?cod=3553

19.10.10

OE 2011: Redução das transferências pode pôr em causa salários e serviços básicos – Comunidade Intermunicipal do Tâmega

Armindo Mendes

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, Alberto Santos, disse hoje à Lusa que o corte de 11 milhões nas transferências para as autarquias desta região pode pôr em causa salários e alguns serviços básicos como refeições e transportes escolares.

“Estes cortes, que estão muito acima da média nacional, são uma afronta para a região, colocando os municípios numa situação muito difícil”, afirmou o edil que também preside ao município de Penafiel, de maioria PSD/CDS.

 

http://www.tamegaonline.info/v2/?sstate=1

18.10.10

CM de Felgeiras vai perder um milhão de euros em 2011

Armindo Mendes

E a CM de Felgueiras vai perder em 2011 cerca de um milhão de euros nas transferências do Orçamento de Estado, comparando com o que recebeu este ano no âmbito do FEF.

 

Na prática, significa uma quebra superior a oito por cento das transferências.

 

As quebras não são, infelizmente, muito diferentes do que se passa noutros concelhos do Tâmega/Sousa, mas é certo que esta adversidade, no que tem a ver com Felgueiras, vai constituir mais um desafio para quem está há pouco tempo no poder e vai ter de gerir o município em tempo de vacas magras. E estas são más notícias também para as juntas de freguesia, que costumam pagar caro estas situações.

 

Vamos ver se haverá do lado da NE arte e engenho para apertar o cinto. no que é supérfluo.

 

 Pode-se começar, por exemplo, por não cair em tanto exagero nos outdoors espalhados pelo concelho com propaganda ao município.

 

18.10.10

OE2011: Municípios do Tâmega perdem mais de 11 milhões de euros face a 2010

Armindo Mendes

A proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2011 prevê que para o conjunto dos 12 municípios da região do  Tâmega sejam transferidos menos cerca de 11 milhões de euros do que em 2010, o que se traduz numa perda de 8,35 por cento.

Em 2010 foram transferidos da administração central para os municípios no âmbito do Fundo de Equilíbrio Financeiro (FEF) cerca de 133 milhões de euros, mas para 2011 a proposta do Governo que vai ser apreciada na Assembleia da República aponta para 122 milhões de euros.

Os concelhos que apresentam maiores perdas são Penafiel (cerca de 1,5 milhões) e Paredes (1,4 milhões).

Penafiel recebeu este ano cerca de 16,9 milhões de euros, mas em 2011 a proposta de OE aponta para 15,4.

 

http://www.tamegaonline.info/v2/noticia.asp?cod=3543

 

 

16.10.10

Manoel de Oliveira gostava de realizar a “Ronda da Noite” de Agustina Bessa-Luís

Armindo Mendes

O realizador Manoel de Oliveira revelou hoje que gostava de poder fazer um filme baseado no livro “A Ronda da Noite”, de Agustina Bessa-Luís, escritora que está a ser homenageada em Penafiel.
Manoel de Oliveira falava hoje nesta cidade numa mesa-redonda incluída na terceira edição do festival literário Escritaria que decorre até domingo.
Perante algumas dezenas de pessoas que enchiam o auditório do museu municipal de Penafiel, Manoel de Oliveira lembrou a longa colaboração que enquanto cineasta manteve com Agustina Bessa-Luís.
O realizador lembrou os vários filmes que dirigiu desde 1981 baseados nas obras da escritora e a forma “muito fácil” como ambos colaboravam entre si nesse trabalho.
Para Manoel de Oliveira, “a Agustina faz uma grande falta à literatura portuguesa e mundial”.

Pág. 1/3